Novas receitas

8 razões pelas quais o fast food está deixando você doente e cansado

8 razões pelas quais o fast food está deixando você doente e cansado


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Não é exatamente uma notícia de última hora que fast food é ruim para você. E por um bom motivo: não é muito saudável e se você comer muito, não apenas ganhará peso, mas também ficará doente e cansado. Mas quanto nós realmente saber sobre porque fast food é ruim para você?

8 razões pelas quais o fast food está deixando você doente e cansado (apresentação de slides)

Quando comemos, digamos, um bom pedaço de salmão com um pouco de quinoa e vegetais cozidos no vapor, estamos obtendo nutrientes vitais de cada componente dessa refeição: ômega-3 do peixe, proteínas e fibras da quinua e uma série de vitaminas e minerais dos vegetais. E embora um filé de salmão de 150 gramas contenha mais gordura e calorias do que um cheeseburger do McDonald's, é o qualidade dessa gordura e das calorias que contam, e é aí que o fast food fica aquém.

É uma armadilha pensar que, quando você está procurando uma alimentação saudável, contar calorias é tudo o que importa. Se você limitar sua ingestão geral de calorias e aumentar seu regime de exercícios, provavelmente perderá peso, mas não se trata apenas de calorias; a nutrição geral é a chave para o bem-estar duradouro. Um filé de salmão contém vitamina B12, vitamina D, vitamina B6, selênio, ácidos graxos ômega-3, proteína, fósforo, colina, ácido pantotênico, biotina e potássio. Um cheeseburger do McDonald's contém um pouco de ferro, proteína e cinco gramas de gordura saturada. Caloria por caloria, qual parece ser a escolha mais saudável?

E não se esqueça, isso vai além de pesar os benefícios mais óbvios para a saúde da carne bovina em relação ao salmão. Os pães comerciais são feitos com farinha enriquecida, xarope de milho rico em frutose, estabilizantes, condicionadores e conservantes, nenhum dos quais oferece muito em termos de nutrição. Compare seus benefícios para a saúde com o pão integral e, bem, há é sem comparação. Quanto mais próximo da natureza um alimento, mais saudável ele será, e poucas coisas estão mais longe da natureza do que o fast food.

Então, o que isso tem a ver com fazer você se sentir enjoado e cansado? Muito, no fim das contas. O que colocamos em nossos corpos desempenha um grande papel em como nos sentimos dia após dia, por uma ampla variedade de razões. Se você precisa explicar o porquê do “não” para crianças que amam fast-food, informar amigos e familiares ou apenas informar-se sobre os perigos do fast food, aqui estão oito razões pelas quais ele faz muito mais mal do que bem.


O açúcar se esconde em quase todos os itens de fast food, mesmo os salgados. Comer muito açúcar pode causar diabetes e obesidade e, além disso, o tipo de açúcar que aparece com mais frequência em fast food e outros alimentos processados ​​é a frutose, que é metabolizada pelo fígado diretamente em gordura - assim como o álcool.

É rico em ingredientes que não são alimentos de verdade


Existem dezenas de produtos químicos em cada item de fast food, de texturantes a enchimentos, conservantes a sabores e cores artificiais. Embora tenham sido todos aprovados pelo FDA para uso em alimentos, nenhum deles estão comida, então eles não adicionam quaisquer benefícios nutricionais. Eles são apenas um espaço vazio, não trazendo nada para a festa, exceto, possivelmente de acordo com alguns relatórios, Câncer.


Você acabou de terminar um ótimo almoço e agora está sentindo sua energia diminuir e seus olhos ficarem pesados. Acontece com muitos de nós, embora poucas pessoas realmente saibam por que sentem fadiga depois de comer. Descubra abaixo algumas causas possíveis para esse cansaço repentino.

Hipoglicemia reativa: Após uma refeição cheia de carboidratos, você pode ter hipoglicemia reativa, que o deixa extremamente cansado após comer e também pode causar dores de cabeça, irritabilidade e tontura. Isso ocorre porque o excesso de carboidratos aumenta a produção de insulina e aumenta a glicose no sangue. Quando você termina de digerir, os níveis de glicose no sangue caem drasticamente, resultando em uma queda do açúcar.

Triptofano: O triptofano aumenta a produção de serotonina, o neurotransmissor responsável pelo humor, sono e regulação dos movimentos intestinais. Consumir alimentos ricos em triptofano causa um aumento na insulina, deixando você com sonolência após a refeição.

Maré alcalina: A maré alcalina ocorre durante as primeiras duas horas de digestão e aumenta o nível de pH do sangue. O processo de digestão produz um alcalino que é liberado no plasma sanguíneo do estômago e torna o sangue do estômago mais alcalino do que o sangue que viaja para ele durante a digestão.

Alocação de recursos: A teoria de que o sangue e o oxigênio são alocados para o sistema digestivo da mesma forma que para os músculos durante o treino não tem respaldo científico, mas poderia explicar a fadiga sentida após as refeições.

Certas condições: O diabetes e o hipotireoidismo também podem causar fadiga após as refeições, pois o diabetes pode reduzir a absorção de glicose, enquanto o hipotireoidismo torna as glândulas tireoides incapazes de produzir hormônios tireoidianos suficientes.

Qualidade alimentar: Comer alimentos com valor nutricional mínimo vai deixá-lo cansado e fatigado depois de comer. Em contraste, alimentos ricos em vitaminas podem ajudar a aumentar a energia após uma refeição.

Porções de refeição: Comer grandes porções de alimentos não saudáveis ​​pode deixá-lo com sono. Livestrong sugere reduzir o tamanho das porções das refeições e comer com mais frequência, para que seu corpo possa digerir porções menores por vez, o que o deixará menos cansado após uma refeição.

Alergias: Consumir um alimento que você também é alérgico pode resultar em fadiga, pois seu corpo trabalha para se livrar do alérgeno, gastando energia enquanto seu sistema imunológico protege o corpo.

Supressão de orexina: Este é o peptídeo mais importante que controla a vigília e é mais ativo no hipotálamo. Comer muitos carboidratos posteriormente leva ao aumento dos níveis de glicose na corrente sanguínea, levando à supressão da orexina.

Inflamação: O corpo libera mensageiros chamados citocinas que iniciam o processo inflamatório. Citocinas como TNF e IL-1b podem suprimir a orexina - o peptídeo responsável pela vigília. Alimentos que podem causar inflamação podem causar fadiga significativa.

Orexin e pH do sangue: O peptídeo orexina é muito sensível a pequenas alterações no ph do sangue. Cenários de aumento da alcalinidade resultam na supressão da orexina, levando à fadiga.

Leptina: Este é um hormônio responsável pela sensação de saciedade e mdasha a satisfação de nossa fome. A leptina também pode aumentar a inflamação, fazendo com que nos sintamos cansados. Curiosamente, os níveis do hormônio leptina aumentam mais com os carboidratos do que com as proteínas ou gorduras.

Ativação parassimpática: Isso se relaciona com a parte do sistema nervoso que é responsável por regular as ações inconscientes do corpo. É frequentemente referido como o sistema & ldquorest and digest & rdquo. Este processo do sistema nervoso contribui para a sensação de fadiga após uma refeição.

Canabinóides e Orexin: Na verdade, esses peptídeos têm um sistema de contrapeso. Níveis baixos de canabinóides potencializam a orexina e podem estimular a vigília.

Insulina e baixo potássio: O aumento dos níveis de insulina na corrente sanguínea leva o potássio a entrar nas células, resultando em níveis baixos de potássio no soro sanguíneo. Ter um nível de potássio reduzido pode causar fadiga, fraqueza muscular ou mesmo paralisia.


8 alimentos que fazem você parecer mais velho

Você deseja parecer mais jovem e retardar o processo de envelhecimento? Em caso afirmativo, você vai querer eliminar esses alimentos de sua dieta & mdash pronto!

Sentindo o seu melhor e estar no seu melhor andam de mãos dadas. Existem muitos alimentos que você pode comer que são bons para a pele e ajudam a reduzir o aparecimento de rugas, mas e os alimentos que têm o efeito inverso?

Você está se certificando de evitar esses alimentos? Você ao menos sabe o que são esses alimentos? Vamos dar uma olhada em oito alimentos que fazem você parecer mais velho e como você pode substituí-los.

Carboidratos ou trigo

Carboidratos e produtos de trigo são convertidos em açúcar se você não os usar. O alto nível de açúcar no sangue, causado pela ingestão de muitos carboidratos, acelera o processo de envelhecimento do corpo. Isso não só causará rugas na pele, como também poderá levar ao ganho de peso. Mantenha seus carboidratos sob controle & mdash e, a menos que você precise de energia para um treino, é melhor pegar vegetais frescos ou frango grelhado para mastigar.

A pesquisa mostra que os americanos consomem 3.400 mg de sal por dia (não mais do que 2.300 mg é recomendado e pessoas com pressão alta não devem consumir mais do que 1.500 mg por dia). O sal aumenta a sua pressão sanguínea, coloca-o em risco de doenças cardiovasculares e deixa-o com uma sensação de inchaço e que todos sabemos que faz com que pareça cansado e esgotado. Recomendamos temperar sua comida com especiarias, como ervas frescas ou nossos temperos naturais sem sal favoritos & mdash Mrs. Dash.

Hambúrgueres fast-food

Os hambúrgueres de fast-food contêm mais gordura trans do que jamais será permitido. A gordura trans enrijece as artérias e faz com que a pele pareça rígida e opaca. Também pode fazer você se sentir doente, cansado e sem energia. Em vez de pegar o drive-thru, planeje com antecedência e prepare um lanche que seja saudável. Se for necessário, escolha um desses restaurantes de fast food mais saudáveis.

Cafeína

Cafeína & mdash encontrada em bebidas energéticas, refrigerantes e café & mdash desidrata o corpo. Não ser hidratado afeta a pele de muitas maneiras & mdash incluindo maximizando suas chances de rugas, linhas finas, manchas de envelhecimento e opacidade. Também interfere no seu sono, e a falta de sono é uma ótima maneira de envelhecer instantaneamente 10 anos. Se precisar tomar seu café da manhã, beba bastante água para se manter hidratado.

Álcool

Semelhante à cafeína, o álcool desidrata o corpo e pode causar estragos na pele com o tempo. Uma bebida aqui e ali não causará muita diferença, mas se você bebe regularmente, pode mudar para variedades mais leves de álcool (como cerveja light ou margaritas skinny) e aumentar a ingestão de água.

Óleo vegetal

Óleos extremamente processados ​​e mdash, como óleo vegetal, óleo de canola e óleo de soja, danificam as membranas celulares. Em suma, se você consumir esses óleos regularmente, envelhecerá mais rápido e correrá um risco muito maior de doenças cardíacas. Em vez disso, escolha óleo de coco ou azeite de oliva.

Donuts e Bolos

Donuts, bolos, brownies e outros itens doces e açucarados são o pior inimigo da sua pele. Eles o tornam fino, quebradiço e mais frágil (pele frágil é igual a pele enrugada). Como o açúcar é ruim para todos os lados & mdash, mas tão difícil de evitar & mdash, recomendamos seguir um plano de 80/20: 80 por cento do tempo você come de forma saudável e evita guloseimas processadas e açucaradas e 20 por cento do tempo você pode se permitir gastar um pouco .

Comendo nada

Na verdade, pular refeições é pior para você do que comer carboidratos ou açúcar. Ele envelhece seu corpo em um ritmo alarmante e o coloca em um risco muito maior de comer demais na próxima vez que fizer uma refeição. Comer em excesso leva ao ganho de peso, o que leva à letargia, o que leva a parecer mais velho. Leve sempre consigo lanches pequenos e saudáveis ​​para evitar ficar mais do que algumas horas sem comer.


7 maneiras surpreendentes de que a comida lixo o torna miserável

Açúcar, gorduras ruins, carboidratos processados. Esses demônios da dieta são o que compõe a maior parte de toda a comida lixo - e a massa não é a única coisa que eles causam. De acordo com Jim White, RD, proprietário do Jim White Fitness and Nutrition Studios em Virginia Beach, VA, alimentos como carboidratos processados ​​& quotwhite & quot, biscoitos embalados, batatas fritas, refrigerantes açucarados e hambúrgueres e batatas fritas com alto teor de gordura não embalam apenas em libras, eles pode causar sintomas físicos e condições que fazem você parecer e se sentir um lixo. Esses sete efeitos colaterais potenciais de uma dieta rica em junk food podem inspirá-lo a ir direto para o Whole Foods mais próximo.


Controle de porções de refeições

A quantidade de comida que você ingere é outro fator importante em como você se sente após uma refeição. Se você comer refeições saudáveis, grandes ou pequenas, seu corpo terá energia. Se, no entanto, você comer grandes refeições que consistem em alimentos não saudáveis, você provavelmente terá vontade de tirar uma soneca depois. Se você tem alimentos não saudáveis ​​como parte de sua dieta, tente reduzir o tamanho das porções de suas refeições e faça quatro ou cinco refeições menores por dia, em vez de três grandes refeições por dia. Isso permite que seu corpo digira uma quantidade administrável de comida, de vez em quando, ao longo do dia.


Sinais de contaminação por endotoxinas

Há uma série de razões pelas quais seu corpo não consegue eliminar ou lidar adequadamente com as endotoxinas, incluindo desnutrição, hipotireoidismo, estresse, deficiência de proteína e insuficiência hepática.

  • Perda de cabelo: As endotoxinas podem aumentar a produção de substâncias químicas do estresse que podem desencadear a queda de cabelo.
  • Intestino solto: As endotoxinas aumentam a permeabilidade intestinal, o que permite que os patógenos entrem na corrente sanguínea além da parede intestinal. Isso pode desencadear o sistema imunológico e até mesmo levar a doenças autoimunes.
  • Hipotireoidismo: Se você tem, ou suspeita que tem, uma tireoide hipoativa, as endotoxinas provavelmente desempenham um papel. As endotoxinas suprimem diretamente a função da tireoide, o que também diminui a função imunológica.
  • Períodos Anormais: As endotoxinas no sangue também causam o aumento dos níveis de estrogênio. Os sinais de dominância do estrogênio incluem piora da TPM, baixo desejo sexual, fadiga e ganho de peso.
  • Aparência inchada: O excesso de endotoxinas pode causar edema, um problema metabólico em que nossos tecidos e células ficam “alagados” e causam retenção de água. Isso pode causar inchaço, distensão abdominal e inchaço.
  • Rugas prematuras: As endotoxinas impedem as células de utilizar e produzir energia. Este estresse oxidativo é caracterizado por sinais de envelhecimento, como linhas finas e rugas.
  • Fadiga: As endotoxinas têm um “efeito anti-mitocondrial” que são a força motriz das células. Ao prejudicar a função mitocondrial, as endotoxinas diminuem a capacidade de nossas células de produzir energia. Isso pode levar à fadiga crônica.

Você nunca se entrega.

Shutterstock

"Por que estou ganhando peso se estou seguindo minha dieta religiosamente?" você pode perguntar. E nós temos a resposta: você está levando um pouco também a sério. Você não precisa se restringir completamente quando está tentando perder peso - viva um pouco! Na verdade, vai ajudá-lo a reverter o ganho de peso recente. Ter um dia de folga (ou mesmo dias de folga) enquanto faz dieta pode realmente ajudar a ajudar na perda de peso, de acordo com um International Journal of Obesity estude. Pesquisadores australianos descobriram que quando os participantes alternavam entre aderir a uma dieta rígida por duas semanas e segui-la com duas semanas consecutivas, perderam mais peso durante o estudo do que aqueles que seguiram uma dieta rígida o tempo todo. Bônus: o grupo "trapaceiro" também ganhou menos peso após o término do estudo.

A solução: Para voltar a uma versão mais aparada de você, coma a coisa real, mas reduza o tamanho da sua porção. Se você adora sorvete, por exemplo, pule o fro-yo e pegue uma pequena colher de premium.


8 razões pelas quais você age contra seu próprio melhor julgamento

Todos nós fazemos escolhas erradas contra nosso melhor julgamento. É o que nos torna humanos & # 8211 a tendência de tomar decisões ativa e intencionalmente que resultarão em resultados desfavoráveis. Claro, a barra de chocolate tem um gosto bom, mas você sabe que vai se sentir péssima depois de comê-la. Sim, esse blog é divertido de ler, mas você sabe que ficaria muito mais feliz se terminasse aquela redação para a aula primeiro. E, no entanto, cinco minutos depois, um invólucro de barra de chocolate se senta, esvaziado de seu conteúdo, seus molares abrigam fragmentos de nougat e exibem um brilho caramelo, leve náusea se aproxima e você se vê avançando até os joelhos através das seções de comentários, janela do MS Word minimizada. O que acabou de acontecer? Por que você fez aquelas coisas que disse a si mesmo que não faria, contra as quais se advertiu e cujas ramificações negativas já estão se concretizando & # 8211 exatamente como você previu?

Na semana passada, começamos o diálogo com minha postagem introdutória sobre akrasia & # 8211 o ato de trabalhar conscientemente contra os próprios interesses de alguém & # 8217 & # 8211, mas não entramos em detalhes. Hoje, tentarei fornecer algumas respostas. Vou me aprofundar nas razões da acrasia, especialmente no que se refere a fazer escolhas alimentares erradas. Não vou discutir psicopataquestões lógicas, por si só, em vez de focar em Fisioexplicações lógicas, mas lembre-se de que os dois geralmente são o mesmo. Você não pode realmente separar a mente do corpo (bem, sem matar a pessoa, claro).

Se pegamos o telefone para pedir comida para viagem, abrimos a embalagem de doces, enfiamos a colher no pote de Nutella ou aceitamos a fatia de bolo oferecida, estamos tomando uma decisão. A maioria dos especialistas em saúde afirma que tomar uma decisão saudável é uma questão de força de vontade. De forma que, se você tomar uma decisão prejudicial, simplesmente não a deseja tanto. Como Bob Newhart naquele velho esquete da Mad TV, eles parecem pensar que tudo que você precisa fazer é apenas & # 8220 PARAR! & # 8221

Bem, não é assim tão fácil. Caso contrário, as pessoas não estariam tomando essas decisões que vão contra seu melhor julgamento. Caso contrário, eles realmente estariam & # 8220 interrompendo isso. & # 8221

Muitas & # 8211 talvez a maioria & # 8211 escolhas alimentares ruins resultam de uma incapacidade de resistir aos desejos. E quem pode culpar você, realmente? Quer sejam por batatas fritas, doces ou algo específico como trigo, os desejos são difíceis de ignorar por design. O propósito deles é fazer com que você ceda a eles, para superar seu lado racional e promover a busca decidida e obstinada de tudo o que você deseja. Algo, então, está no cerne desses anseios. Algo fisiológico. Mas o que?

1. Você está perdendo algo em sua dieta e seus genes antigos estão interpretando mal os desejos modernos.

Freqüentemente, há uma desconexão entre o que nossos corpos animais precisam ou desejam e o que nossas mentes humanas sabem ser o melhor. Quando o corpo do animal percebe uma deficiência, algum nutriente que falta na dieta, como o sal, muitas vezes desenvolve um desejo por esse nutriente. 20.000 anos atrás, se você tivesse deficiência de sal, teria procurado marisco ou sal-gema, porque essas são as fontes de sal que você conhece. Seu banco de memória alimentar era bastante limitado em escopo. Hoje, a mesma deficiência de sal pode se manifestar como um desejo por Pringles ou Cheezits, porque esses alimentos estão listados em & # 8220sal & # 8221 em seu banco de memória alimentar.

Vejamos algumas pesquisas sobre o assunto. Em um estudo (PDF), voluntários humanos foram submetidos a uma dieta restrita com baixo teor de sódio e tratados com diuréticos por dez dias, resultando em & # 8220 depleção substancial de sódio. & # 8221 Os efeitos foram bastante reveladores. Limiares de sal & # 8211 o nível mínimo detectável de cloreto de sódio dissolvido em água & # 8211 diminuíram drasticamente, os sujeitos puderam detectar níveis mais baixos de sal durante a depleção de sódio do que durante a reposição de sódio. Além disso, a depleção de sal tornou os alimentos salgados mais saborosos do que tinham antes do estudo, e os indivíduos com deficiência de sal classificaram os alimentos mais salgados como os mais atraentes e desejáveis.

É bem possível que seus desejos de & # 8220Pringles & # 8221 sejam na verdade desejos de sal e que o primeiro seja simplesmente o que seu corpo animal associa ao & # 8220salty. & # 8221

2. Você está perdendo algo em sua dieta e seu eu moderno está interpretando mal os desejos antigos.

E os desejos por doces? Paul Jaminet acha que os desejos por açúcar podem na verdade ser desejos por carne gordurosa. Parece loucura, mas ele faz alguns pontos importantes. Primeiro, certos aminoácidos são, na verdade, ligeiramente doces. Esses aminoácidos mais doces também são hidrofóbicos, o que significa que são encontrados dentro das células com gorduras e repelem água (a gordura não se mistura com a água). Os aminoácidos hidrofílicos, que são solúveis em água, não se associam à gordura e ativam as papilas gustativas umami, não são doces. Uma das principais teorias da doçura sugere que, para que um composto seja doce (para interagir com os receptores de doçura), ele deve ser hidrofóbico. Paul sugere que em um ambiente paleolítico com muitas presas, tubérculos insossos (em vez de doces) e frutas menos abundantes / sazonais, o desejo por doces nos levou a comer carne gordurosa rica em nutrientes e rica em calorias.

É possível, mais uma vez, que nossos corpos animais sejam confundidos pela moderna (e totalmente compreensível) fusão de doce com açúcar e interpretem erroneamente o que é realmente uma necessidade de gordura. Talvez esses desejos por doces se transformem em farras de açúcar, porque o açúcar não é realmente o que seu corpo deseja.

3. Você é viciado em trigo.

O trigo contém peptídeos opióides que podem ativar os receptores opióides em nosso corpo. Você sabe o que mais ativa os receptores opióides? Ópio, morfina e heroína. (Eu nunca tentei nenhum deles, mas ouvi dizer que eles podem inspirar alguma devoção real de seus usuários. Veja: Trainspotters, Requiem for a Dream.) Eu sei que pode soar superficial, e eu serei o primeiro a admitir isso a pesquisa sobre isso ainda é muito preliminar. Você não encontrará nenhuma evidência sólida no PubMed de que o trigo vicia. Mas o pensamento é que, em vez de atingi-lo como uma tonelada de tijolos e deixá-lo sem fala devido ao sublime disparo de seus receptores opióides, o vício do trigo se manifesta como uma coisa persistente e teimosa.

As evidências existem, embora limitadas. Um artigo mais antigo (PDF) que identifica vários peptídeos opioides no glúten de trigo sugere que eles são capazes de se ligar aos receptores opioides do cérebro por meio de um & # 8220 mecanismo biomecânico plausível & # 8221 e os considera de & # 8220 importância fisiológica. & # 8221 A Dra. Emily Deans, da Psiquiatria Evolutiva, na verdade usou naltrexona & # 8211 uma droga que bloqueia os receptores opiáceos & # 8211 para reduzir a compulsão por trigo em pacientes celíacos que estão tentando chutar o & # 8220 hábito. & # 8221

O trigo desempenha um grande papel na dieta das nações industrializadas. Se você está lendo isso, provavelmente cresceu comendo. Você ainda pode estar comendo de vez em quando & # 8211 e isso pode ser pelo menos parcialmente responsável por sua vontade de comer aquela fatia de pão.

4. Você é viciado em açúcar.

Da mesma forma que o trigo, o açúcar tem propriedades viciantes. Uma revisão dos estudos com ratos mostra que os roedores se tornam bastante viciados em açúcar muito rapidamente, às vezes até mesmo escolhendo-o em vez da cocaína de qualidade farmacêutica. Existem evidências de que as propriedades viciantes também afetam os humanos. Tal como acontece com o trigo, a naltrexona demonstrou reduzir as propriedades recompensadoras do açúcar nas pessoas. Quando você bloqueia os receptores opiáceos no cérebro, o açúcar simplesmente não é tão recompensador e você não é levado a consumir tanto dele.

O açúcar parece ser viciante em ratos e humanos. Você, sendo humano, poderia muito bem ser levado a tomar decisões erradas sobre doces porque é viciado neles.

5. Você está estressado.

Todo mundo sabe sobre & # 8220 comer estressante. & # 8221 O estresse crônico é repetidamente associado à obesidade e à alimentação excessiva, e há fortes evidências de que ele até mesmo provoca desejos por alimentos ou nutrientes específicos. Como açúcar. Lembra do nosso velho amigo cortisol? É um dos principais hormônios do estresse e, em pessoas com alto índice de cortisol, que secretam muito cortisol em resposta ao estresse & # 8211 ânsias e ingestão de doces aumentam dramaticamente. O estresse também parece aumentar o desejo por & # 8220comidas de conforto & # 8221 aquelas misturas mortais com alto teor de açúcar e gordura, por meio de um aumento na grelina, um hormônio da fome.

O estresse também pode causar ânsias de sal, provavelmente porque as glândulas supra-renais que produzem os hormônios do estresse também produzem hormônios que monitoram o equilíbrio eletrolítico. E, de fato, o estresse também pode aumentar as necessidades de sal, que, como já sabemos, muitas vezes podem se manifestar como & # 8220 ânsias de chips & # 8221 ou & # 8220 ânsias de crackers. & # 8221

6. Você está treinando demais sem abastecimento adequado.

Minha regra geral é que vegetais ricos em amido, como tubérculos e batatas, assim como frutas doces, são alimentos eletivos. Você não precisa dele, e a maioria das pessoas, especialmente aquelas que estão tentando perder peso, ficará melhor limitando-os. Eles podem ser saborosos, no entanto, e se seus níveis de atividade justificarem uma maior ingestão de carboidratos, você pode comê-los. Não tenho nenhum problema com isso e não os vejo como problemáticos nessa situação. Na verdade, se você está fazendo WODs Crossfit diariamente ou batendo no asfalto a mais de 160 quilômetros por semana, é melhor comer alguns tubérculos e algumas frutas. Se você não fizer isso, se consumir muito pouco carboidrato enquanto tenta manter esse ritmo vertiginoso, sofrerá. Você provavelmente também desejará carboidratos refinados, processados ​​e de fácil digestão. Pense em batatas fritas, pão, pizza, massa ou & # 8211 meu próprio nêmesis / favorito pessoal dos meus dias de Cardio crônico & # 8211 potes de sorvete.

Seu corpo precisa repor o glicogênio e precisa de carboidratos para fazer isso. A gliconeogênese só pode levá-lo tão longe se você estiver levando seu corpo ao limite. Diante de um treinamento pesado de esgotamento de glicogênio, a falta de fontes de amido primordial fará com que você deseje doces e grãos rapidamente.

7. Você não está dormindo o suficiente.

A falta de sono há muito tempo está associada a comer demais e à obesidade. Por um lado, horários de sono ruins ou interrompidos promovem a secreção de cortisol interrompida, que & # 8211 como eu & # 8217 mostrei acima & # 8211 pode afetar nossas escolhas alimentares. O sono ruim também aumenta a resistência à insulina, o que muda a forma como processamos os macronutrientes (especialmente os carboidratos) e nos torna mais propensos a ganhar gordura. E agora, um estudo recente mostrou que um único episódio de privação aguda de sono (apenas uma noite) faz com que as pessoas achem a comida mais gratificante. Os pacientes que não dormiam obtinham mais prazer com a comida, desejavam mais comida e relataram mais fome do que os pacientes que haviam dormido. E essa foi apenas uma única noite. Imagine os efeitos de dias, semanas ou mesmo anos de sono deficiente e crônico.

Se você não dorme, pode muito bem ser mais suscetível às artimanhas da comida lixo.

8. Você tem medo de estar socialmente isolado devido às suas escolhas alimentares.

A pressão dos colegas não ocorre apenas em grupos de adolescentes fumando charros atrás de um 11 de julho. Pode acontecer em festas de aniversário, eventos de escritório ou feriados. Onde quer que sejam servidas guloseimas, e a grande maioria dos presentes participa, aqueles que de outra forma recusariam as guloseimas oferecidas muitas vezes se sentem pressionados a ceder. comece a pensar que vê olhares compartilhados entre festeiros julgadores, sentir mágoa de padeiros amadores e se preocupar em parecer um & # 8220 louco por saúde & # 8221 (como se isso & # 8217 fosse uma coisa terrível ou algo assim), então você pega a fatia do bolo ou quadrado de brownie e participe. Você sabe o que aconteceu da última vez em que cedeu. Você se lembra muito vividamente da espiral descendente de indulgência com o lixo que aconteceu então, e provavelmente acontecerá novamente. Mas ainda assim você come.

Uma explicação pode ser que a rejeição social & # 8211, mesmo que seja apenas imaginária & # 8211, pode se manifestar como dor física. Para descobrir isso, os pesquisadores executaram varreduras cerebrais em participantes do estudo enquanto eles jogavam um jogo virtual de arremesso de bola e, em seguida, começaram a excluí-los do jogo (PDF). Por fim, todos os participantes foram excluídos do jogo. Durante a exclusão social explícita (na qual os jogadores foram impedidos de participar por outros jogadores) e a exclusão social implícita (na qual circunstâncias atenuantes impediram os participantes de entrar no jogo), as varreduras cerebrais registraram atividade significativa no córtex cingulado anterior (ACC), a região do cérebro que atua como um & # 8220sistema de alarme neural & # 8221 ou um & # 8220 monitor de conflito. & # 8221 Sempre que & # 8220 algo está errado, & # 8221 o ACC acende. A dor física desencadeia o ACC, mas o ACC não está envolvido na sensação física de dor. Está envolvido em sofrimento mental.

A angústia é uma sensação negativa. É desagradável por definição. Se você resistiu às guloseimas no passado e se sentiu socialmente isolado ou rejeitado por causa disso, pode ser condicionado a tomar a guloseima da próxima vez para evitar o isolamento e evitar a ativação do seu centro de angústia neural.

Algum desses soa familiar? Quando se trata de tomar decisões dietéticas erradas, tenha em mente que somos animais complexos e as causas de nossas ações são multifatoriais. Alguns ou todos esses fatores podem contribuir para seu erro específico. Talvez você tenha se empanturrado de bolo na festa porque seu ACC estava zumbindo de medo com a perspectiva de isolamento social e porque você andou percorrendo muitos quilômetros de estrada, foi treinado em excesso, seu cortisol aumentou, seu açúcar no sangue estava baixo e você ansiava por açúcar. Pode ser qualquer coisa desta lista (e até mesmo algumas que não estão nela).

Portanto, embora a decisão em última análise recaia sobre seu prato, você pode achar útil entender que uma série de fatores está ativamente influenciando você. Essas não são desculpas e não removem a responsabilidade, mas mostram o que pode estar acontecendo nos bastidores. Esperançosamente, ao compreender exatamente por que freqüentemente tomamos decisões erradas sobre alimentos contra nosso melhor julgamento, podemos inclinar a balança a nosso favor antes que a próxima seja tomada.


Este é o seu corpo em fast food

Um cliente recentemente me perguntou: "Com que frequência posso me safar comendo junk food?" Ela sabe que minha filosofia nutricional é a "regra 80:20": comer alimentos saudáveis ​​tão frequentemente quanto possível (pelo menos 80 por cento do tempo), mas também desfrutar de alimentos menos saudáveis ​​ocasionais (menos de 20 por cento do tempo), se é isso que você realmente quer.

Eu vi essa abordagem funcionar bem com meus clientes que antes faziam dieta crônica, mas não conseguiam perder peso. Uma vez que eu lhes dou permissão para ter "alimentos proibidos", esses alimentos perdem seu poder e eles são capazes de fazer escolhas mais saudáveis ​​na maior parte do tempo.

Há algumas evidências de que “refeições fraudulentas” (embora eu odeie esse termo) podem ajudar a aumentar a perda de gordura e a saúde mental entre as pessoas que fazem dieta. Ainda assim, eu queria dar ao meu cliente uma resposta mais quantificável. Alguns dias de junk food ou mesmo uma única refeição de fast food podem fazer diferença na sua saúde geral?

Junk food e fast food definidos

O que é “junk food”? Essencialmente, qualquer alimento altamente processado, com alto teor de calorias e baixo teor de nutrientes. A junk food também costuma ser rica em açúcares adicionados, sal e gorduras saturadas ou trans. Algumas evidências apontam para junk food como sendo tão viciantes quanto álcool e drogas.

“Fast food” é o alimento que se prepara rapidamente e é consumido rapidamente ou levado para fora. Embora haja um número crescente de opções de fast food mais saudáveis, a maioria dos fast food ainda pode ser classificada como junk food.

Efeitos a longo prazo de comer junk food

Comer uma dieta de má qualidade, rica em junk food está ligada a um maior risco de obesidade, depressão, problemas digestivos, doenças cardíacas e derrame, diabetes tipo 2, câncer e morte prematura. And as you might expect, frequency matters when it comes to the impact of junk food on your health.

A review of studies on fast food and heart health found having fast food more than once a week was linked to a higher risk of obesity, while eating fast food more than twice a week was associated with a higher risk of metabolic syndrome, type 2 diabetes and death from coronary heart disease.

This is disturbing considering nearly half of American adults eat fast food at least once a week.

Short-term effects of junk food

It’s human nature to think about benefits and risks over the short term rather than considering the impact our choices have over the long term. So how does consumption of junk food affect your body over the short term?

A few days of junk food

Just a few days of junk food could change your metabolism. A small study of 12 healthy young men found eating junk food for just five days led to a reduced ability of their muscles to turn glucose into energy, even though they didn’t eat more calories as part of the study. Over the long term, this change could lead to insulin resistance and eventually type 2 diabetes.

Another effect of just a couple of days of junk food is poor digestion. Because junk food lacks fiber, eating too much of it could lead to constipation.

One junk food meal

That single fast food meal can narrow your arteries, leading to an increase in blood pressure.

And the quick spike in your blood sugar from eating junk foods high in refined carbohydrates and added sugars can cause a surge in insulin, leading to a quick drop in blood sugar. That leaves you feeling tired, cranky and hungry for more.

Just one serving of junk food can increase inflammation throughout your body. Further, an Australian study suggests that in people with asthma, a fast food meal high in saturated fat can increase inflammation in the airway, potentially making an asthma attack more likely. . So it seems the quick hit of junk food, while fleetingly rewarding, does carry short-term risks.

The good news: Every healthy meal helps

The amount of inflammation and oxidative stress your body will experience after eating occasional junk food seems to be a function of the “big picture” of your choices over time.

If you want to enjoy junk food once in a while but are concerned about the impact on your health, take a look at your overall health habits. Do you smoke or overdo it on alcohol? Are you exercising regularly and eating plenty of nutritious foods such as vegetables, fruit, legumes, fish, nuts and seeds, and whole grains? When it comes to your health, it seems you can “get away with” the occasional junk food more easily when you follow a healthy lifestyle most of the time. So think about your ratio of healthy to less healthy foods. Are you achieving 80:20 or is there room for some improvement?

When you’re making the choice between a healthier option and junk food, consider that just one healthy meal a day worked into the typical American diet could reduce overall stress and inflammation in your body. Every meal is an opportunity to positively impact your health.

Based on the current research, my advice to my client essentially remains the same: Once you’re aware of all of the short-term and long-term impacts of junk food and you still really want some, have it less than once a week and really savor it. Then get right back to enjoying nourishing, nutritious foods.


Popular Fad Diets - Why They Can Make You Sick.

Fad diet have been popular for years, and every year thousands of people search the internet for the recipe for that famous cabbage soup - or they decide to go on the 3 day diet or the grapefruit diet, or the mayo clinic diet.

All fad diets claim that a certain extremely limited group of foods will help you lose weight really fast. For instance, the cabbage soup diet consists of mostly cabbage, potatoes and bananas. The three-day diet lets you eat grapefruit, a little bit of tuna, a tiny amount of meat or chicken, some veggies, and, strangely enough, a cup of ice cream. The so-called Israeli army diet only lets you eat one kind of food a day - apples one day, cheese the next, and so on.

You really do lose weight on these diets. You have to. These diets used to be called starvation diets for a reason.

But if you go on one of these diets, or any low-calorie diet, for that matter, you want to make sure you don't want to throw away your fat clothes, because within just a few weeks after going off the diet you'll weigh more than you did when you started.

Starvation will cause you to lose weight, there's no question about it. But scientists have known for over 91 years that one of the almost inevitable results of starvation is weight gain. Your body objects strongly to not being given enough food to keep its internal fires burning, and it can't survive for long without the nutrients it needs to keep all the various functions of it's cells working properly.

That's why you slow down when you're on a low-fat diet. You feel tired and irritable because your body is trying to conserve the little amount of food you're feeding it.

You also get cravings for food - almost any food will do, but the cravings are especially strong for the very foods that make us fat - the sugars and breads and pastas and other simple carbohydrates that make us store extra body fat. Since starvation is a threat to your survival, the cravings will continue to get stronger until they're absolutely uncontrollable.

Then you go off the diet, and gain back all the weight you lost. Most people go on to gain an additional 3 to 8 pounds.

And weight gain is obviously not what you had in mind when you started on the diet in the first place.

But the inevitable weight gain is just one of the reasons why fad diets are such a bad idea.

The other reasons are considerably more serious. On the rare occasions when a doctor prescribes a very low calorie diet, of 900 calories a day or less, they almost always require that their patients get constant medical supervision. That's because this qualified as a starvation diet, and they can be very risky.

Even 'normal' reduced calorie diets have health consequences. That scientific study I mentioned earlier put healthy college students on a reduced calorie diet to see how their minds and bodies would react.

The study volunteers actually ate more calories than the kind of diet that almost every doctor tells you to go on when he thinks you're overweight, and they certainly ate way more calories than you get on most fad diets, like the cabbage soup diet and the 3-day diet. The study had the students eat from 1400 to 2100 calories a day.

A later study done in 1945 for the US army found that the symptoms would get worse if you added exercise to the program.

When I found out about this study, it made me downright angry - why haven't we been told that scientists have known for over 91 years that low-calorie and low-fat diets actually cause the following health problems: Listen closely to this list, because this is what you may experience if you go on any of the currently popular weight loss diets:

* Weight gain.
* Depression.
* Food cravings.
* Feeling tired and listless.
* Constant hunger.
* Reduced interest in sex.
* Chronic fatigue.
* Hypothyroidism.
* Hormone imbalance.2100
* Scaly skin or eczema.
* Premature wrinkling of the skin.
* Dandruff or dull, lifeless hair.
* Mood swings.
* Chronic yeast infections.
* Poor immune system - frequent colds or respiratory illnesses.
* Digestive problems.

Most people believe that the only way to lose weight is to cut back on the calories, even though scientists have known for almost a century that those serious psychological and physical problems could result.

Let's take a close look at some of the most serious symptoms on that list:

Depression, mood swings, and chronic fatigue. It is impossible to be motivated to stay on a diet, (or to do anything else, for that matter), when you suffer from chronic depression.

Heck, those healthy college-aged men who participated in the low-calorie diet studies even lost their interest in sex.

And many people take antidepressants, like Wellbutrin, for both depression and to lose weight.

Two important studies have found that the depression caused by a reduced calorie diet may actually get worse for a while after you start eating normally again. It takes time for the body to recover from semi-starvation eating plans.

Constant hunger and food cravings, especially for refined carbs: When you combine the lack of motivation that always accompanies depression and chronic fatigue, and match it up with constant hunger and food cravings, it shouldn't come as much of a surprise to find out that most people who start a low-calorie diet will actually end up gaining weight.

The only safe way to lose weight is to eat a correctly balanced diet that gives your body all the nutrients it needs, every single day. Stop eating the kinds of foods that cause the excess storage of body fat, and eat lots of the foods that help you lose weight faster.


8 Things You Need To Know Before Eating Jolly Ranchers

When it comes to Jolly Ranchers, beware of candy glass. If you bite into them right away, the candies will shatter. On the flip side, suck on them too long and they'll develop sharp, tongue-poking edges. Eeeek!

Next time you want something sweet and fruity from the bar, order a Jolly Rancher shot, or make 'em at home as shots or a cocktail. Vodka, melon liqueur, and cranberry juice with ice should do the trick.



The Jolly Rancher company was founded in 1949 by Bill and Dorothy Harmsen of Golden, CO and was first sold in candy and ice cream stores in Denver. The name was meant to remind people of the hospitality of the west.



If you're trying to avoid binge eating the whole bag (why try? Follow your heart &hellip), know that the recommended serving size is 3 pieces at 70 calories (or 23 blissful calories each). Move over, Twizzlers! There's a new low-fat snack!



Reach your hand into a bag and you're likely to pull out a red one, but those 'red ones' could actually be Cherry, Watermelon, Fruit Punch, ou Strawberry. The red flavors are so popular, you can even buy bags made exclusively of the red flavors.

We did some very scientific testing (read: jammed my hand into the bag a few times and surveyed what I got) and found that strawberry Jollies aren't always easy available. If you grab one at first touch, consider yourself lucky. On the flip side, the bags are usually full of the classic cherry flavor. It's not unusual to find twice as many cherries and strawberries in a picked-over bag. Again, hard evidence? Talvez não. But definitely proof of the peoples' preference &hellip

Answer: no. Green Apple Jolly Ranchers are a fave of green apple flavor fans, and are widely considered to be some of the best GA candy around.



Feel like making some homemade Jolly Rancher-inspired treats at home? The hard candies will melt in an oven set at 350º after about 5 minutes.